Ad Stijnman (20 - 11 de Julho de 2002)

 

Mezzotints Holandeses sobre Papel Japonês       

 

- As formas que aqui vemos – as linhas horizontais, verticais e os rectângulos – utilizei-os em esboços, desenhos e pinturas, desde 1986. Cerca de sete anos mais tarde, considerei que por ser gravador e não tanto pintor, deveria fazer a transposição destes desenhos para a gravura.

Depois de experimentar um certo número de técnicas de água forte, experimentei a “maneira negra” ou mezzotint. Mezzotint é uma técnica em que a superfície da chapa de cobre se torna áspera e se entalha com a ajuda de um instrumento chamado berceau (do francês) ou rocker (do inglês).  Tem  a forma de um cinzel com o topo inferior arredondado. Num dos seus lados lisos podem-se ver sulcos rasgados em forma de V. O outro lado é biselado. Onde ambos estes lados se encontram existem pontas triangulares muito aguçadas.

 

- O berceau ou rocker é colocado quase verticalmente sobre o cobre polido, com as pontas aguçadas a tocar o cobre. Então, exerce-se pressão sobre o instrumento, rodando-o para a esquerda e para a direita e movendo-o, ao mesmo tempo, lentamente para a frente. Devido a esta acção as pontas aguçadas são transportadas sobre a superfície de metal e, simultaneamente, nasce uma rebarba à volta de cada sulco. Quando se tinta e limpa esta chapa, dela resulta um profundo negro, consequência dos múltiplos sulcos e rebarbas.

 

- Geralmente os artistas que produzem mezzotints utilizam o berceau ou rocker para trabalhar sobre toda a superfície da chapa e depois, com a ajuda de um rascador e de um brunidor  raspam e fazem o polimento dos desenhos na superfície trabalhada. Quanto mais se polir uma determinada zona da chapa, menos tinta ela reterá e mais claro imprimirá. Eu não uso o rascador nas minhas chapas. Primeiro faço o desenho sobre o metal, protejo com fita adesiva os seus limites e utilizo o berceau ou rocker apenas dentro das áreas pretendidas. Desta forma, a fita adesiva é utilizada como uma máscara.

 

- A seguir concentro-me na impressão. Preparo a minha própria tinta especialmente para os meus mezzotints. Por ser muito viscosa, a chapa retém uma grande quantidade.

 

- As chapas são também impressas utilizando a técnica chine collé, da seguinte forma:  a chapa é tintada e limpa como de costume e colocada sobre o tabuleiro da prensa; uma folha de papel japonês é cortada ligeiramente mais pequena que a dimensão da chapa, é pincelada com uma pasta muito fina e colocada sobre a chapa com a superfície humedecida voltada para cima. Um papel com forte gramagem é então posto sobre o conjunto da chapa e do papel japonês, passando tudo sob a prensa. A tinta imprime sobre o papel japonês que, por sua vez, adere ao papel mais espesso.

 

- A combinação de todas estas técnicas cria um profundo negro mate que se relaciona com áreas vazias. Os vazios, contudo, não são brancos, mas mostram cicatrizes: os riscos originados pelo uso do cobre, as marcas acidentais do trabalho com o berceau ou rocker, a degradação e a corrosão do próprio metal. O papel japonês é de um tom de branco natural com muitas fibras finas. Os limites das formas negras não são rectilíneos, mas sim, mais ou menos nítidos. O conjunto cria uma imagem quente e viva mostrando as formas negras tão profundas quanto coloridas. Desfrutem das minhas cores.

 

                                                                                                                                                 Ad Stijnman,   Água-Forte 20/06/2002

 

    

TRABALHOS EXPOSTOS
EXPOSIÇÕES | Internas
» Expo Sanae Yamamoto
» AA Ateliers Abertos 15 Outubro 2016
» Naoji Ishiyama
» Uma Peça, Uma Obra... nos Caminhos do Oriente
» Francis Haley
» Formas Gravadas
» AGA
» FAN ART PROJECT 2012
» "Succulent Hortis", Maria Sassetti
» Exposição de Masataka Kuroyanagi
» Jorge de Sousa Noronha
» Gravura na Água-Forte / Exposição Permanente
» 10 Anos de Gravura na Água-Forte
» Joanna Lakta, Daniela Crespi e Marija Toskovic
» Paulo Lourenço
» Matriz / Água-Forte
» Jorge de Sousa Noronha
» Mami Higuchi
» Hiroshi Maruyama
» Ordem e Caos
» Rafael Navarro Miñón
» Água-Forte / Itsukaichi
» Irene Ribeiro
» Graciela Machado
» Carla Cerejo 2003
» Colectiva Água-Forte Natal
» Ad Stijnman
» Marília Viegas
» Manuela Cristóvão
» João Pedro Cochofel
» Célia Bragança
» Colectiva Água-Forte 2001
» Cláudio Garcia
» Visões Desdobradas
» Carla Cabanas
» Míriam Faria
» Ana Mafra
» Richard de Luchi
» José Augusto
» Inauguração Água-Forte
EXPOSIÇÕES | Externas
» Exposição Diálogos
» Museu do Oriente 2017
» Exposição 15 Anos AGAF Museu de Évora
» Exposição "Memória, reflexões, ligações e futuro depois de 3/11" Casa do Infante e Galeria Esteta, Porto
» Exposição 15 Anos da AGAF Seixal
» Exposição_15 Anos da AGAF_Sociedade Nacional Belas-Artes
» Formas Gravadas
» Cordy Courtiat em Cascais
» Peter Miller
» FAN ART na Matriz, Porto
» After 3.11 | Depois do 11 de Março
» Colectiva no Espaço d'Artes
» Água-Forte na Tinturaria, Covilhã
» actualmente na Galeria Paula Cabral
» Água-Forte expõe na Associação de Gravura da Amadora
» Água-Forte na Galeria Augusto Bértholo
» Bienal do Douro
» No Museu do Oriente em Lisboa, Encontros com o Oriente, Água-Forte e Fukushima
» O Triângulo da GRAVURA
» Matriz / Água-Forte, Intercâmbio
» Colectiva de Gravura, Alfornelos
» VOG - Água-Forte | Projecto de Intercâmbio Holanda / Portugal
» Encontros com o Oriente, Fukushima / Água-Forte
» Feira Estampa, Madrid
» Ordem e Caos, Torres Vedras
» Colectiva de Gravura, Santarém
» Água-Forte / Itsukaichi
» Colectiva de Gravura, Paris
» Colectiva de Gravura, Montijo
» Gravura Contemporânea, Lisboa
» Colectiva de Gravura, Vila Nova de Cerveira
» Colectiva de Gravura, Évora
» Colectiva de Gravura, Teatro Taborda
» Alice no País das Maravilhas, um conto de Lewis Carroll...
» Colectiva de Gravura, Vila Nova de Gaia
» Colectiva de Gravura Água-Forte, Lisboa
» Colectiva de Gravura Água-Forte, Lisboa
» Colectiva de Gravura Água-Forte, Santarém
© Copyright 2009 Associação de Gravura Água-ForteDesenvolvido por: 4Por4